Mensagem das Dez Pragas

Traduzido e adaptado do original https://asknoah.org/faq/lesson-of-ten-plagues com autorização prévia dos responsáveis pelo site AskNoah.org.

A Unidade Completa e o Poder Ilimitado de D’us

Pelo Rabino Moshê Weiner,

autor do livro Sheva Mitzvot Hashem e O Código Divino

 

O texto da Hagadá (Narração) de Pessach afirma sobre o Êxodo do Egito:

“O Santo, bendito seja, o fez em Sua glória por Si mesmo! Assim, é dito: “Naquela noite eu passarei pela terra do Egito, e ferirei todo primogênito … Eu, D’us”. [Significado] … Eu e não um anjo; … Eu e não um serafim; … Eu e não um mensageiro; … Sou Eu, e nenhum outro!”

O conceito equivocado de um sheetuf (um sócio com D’us), é a ideia de que aqui há uma criação independente ou um ser (por exemplo, um anjo) que funciona independentemente de D’us. O povo judeu é comandado a partir do verso (Deuteronômio 6: 4), “Ouve, ó Israel, o Eterno é nosso D’us, o Eterno é Um”, de acreditar e aceitar a verdade que não há existência independente que não seja D’us. Tudo é criado e verdadeiramente está funcionando apenas de acordo com o decreto de D’us, como um machado que é usado nas mãos de um lenhador. A exceção é o ser-humano, ao qual exclusivamente é dado o livre arbítrio, e que são autorizados por D’us a agirem como quiserem.

Embora aos Gentios não lhes seja ordenado que eles devam rejeitar o falso conceito de um sheetuf (um sócio com D’us), no entanto, um Gentio não tem permissão de D’us para adorar nenhuma existência que não seja Ele, a qual a pessoa imagina ser um sheetuf. Alguém pode imaginar um sheetuf simplesmente como um ser que é independente de D’us, o que contradiz o verso “Ouve, ó Israel, o Eterno é nosso D’us, o Eterno é Um.” Pode-se também imaginar um sheetuf que tem um poder independente, por questões físicas ou espirituais, o que contraria o verso: “Você não deve ter por si mesmo quaisquer outros deuses diante de Mim” (Êxodo 20: 3). Em ambos os casos, é óbvio que adorar qualquer tipo de sheetuf é idolatria. É óbvio que pensar que um anjo (por exemplo) por ser independente, não habilita ninguém a adorá-lo. Portanto, aquele que adora qualquer sheetuf, transgride a proibição universal da idolatria. Aquele que pensa ou acredita que a adoração à sheetuf é uma conduta digna, mesmo que ele realmente não adore um sheetuf por si mesmo, nega um Princípio de Fé Fundamental da Torá. [1]

Notas de Rodapé:

[1] Ver Rambam, Mishneh Torah, Leis do Arrependimento 3: 7.

Share