SHAVUOT – A MORALIDADE DO SINAI

The Divine Presence rested on Mount SnaiShavuot – A observância judaica desta festa bíblica começa na noite de sábado, 5 de Sivan (11 de junho, 20’16), e termina na segunda-feira, 7 de Sivan (13 de junho, 20’16).

Shavuot (do hebraico: שבועות, “[sete] semanas” ) é o nome da festa judaica também conhecida como Festa das Colheitas ou Festa das Primícias, celebrado no quinquagésimo dia após a Pessach. Devido a esta contagem, a festa é também chamada de Pentecostes. O mesmo dia em que a 10 Mandamentos foi revelada aos Judeus!

Isto é muito bem explicado nos ensinamentos dados pelo Rebe de Lubavitch. A seguir foi traduzida do iídiche original por Rabbi Y. Oliver, e é apresentado aqui com a permissão dele.

Se uma pessoa deseja garantir que a Humanidade aja com Justiça e Retidão, ela deve se fundamentar sobre a observância da vontade do Criador e Senhor do mundo!

Eu gostaria de salientar o tema “Ética dos Pais” (Pirkei Avot): Embora este tratado lida com “questões de piedade”, ou seja, a ética e traços de caráter próprios, o autor do Mishnah enfatiza a partida do tratado:

“Moisés recebeu a Torah no Sinai.” O raciocínio por trás disso é “para lhe dizer que a ética e a moral [neste tratado] não foram pensados a partir de seus corações (como foi o caso com a ética inventada pelos sábios não-judeus), mas “estes também vieram do Sinai.” [Comentário do rabino Ovadia de Bartenura, Ética dos pais 1: 1] Esta é a única garantia de comportamento real de acordo com a moralidade e bons traços de caráter. Isso é relevante tanto para si mesmo, e quanto a influenciar os outros, como o Mishnah continua, “Estabelecer muitos estudantes”.

Isso certamente se aplica à humanidade como um todo: A única maneira de garantir justiça, conduta correta, não é um sistema ético baseado na razão humana, mas sobre o cumprimento da vontade do Criador e Senhor do mundo.

Como diz Maimônides: “[... ele é considerado um Gentio Piedoso] apenas quando ele as aceita e as cumpre [isto é, os Mandamentos de Noé] (não por convicção intelectual, mas) porque o Santo, bendito seja Ele, os ordenou na Torá e nos informou [isto é, o povo judeu] através de Moisés, nosso mestre [que os gentios são obrigados a seguir estes 7 mandamentos] “. [Mishneh Torá, Leis dos Reis 8:11]

Isto é semelhante à declaração de nossos Sábios: “Se disserem que os gentios possuem sabedoria, acredite. Se disserem que os gentios possuem Torá [ou seja, por si próprios, não receberam dos judeus], não creiam nisso.” [Midrash Eicha Rabá, 02:13]

Sabedoria sozinha (sem qualquer conexão com o comportamento real) não está necessariamente relacionado com a Entrega da Torá, porém os gentios podem desfrutar da Torá inerente sua posse dela. Torá, no entanto, o que denota uma instrução [de D’us] que é realmente colocar em prática, só está presente [inicialmente] entre o povo judeu, em virtude da Entrega da Torá. Os judeus são os que devem influenciar gentios neste [colocando a teoria abstrata em prática] quando se trata do Código de Noé.

Que seja da vontade de D’us que todos cresçam em tudo exposto aqui, tanto na difusão da Torá e do Judaísmo entre os judeus, e na divulgação dos Sete Mandamentos de Noé entre todos os habitantes do mundo.

Palavras que emanam do coração, certamente irão penetrar no coração e realizar o seu efeito. Isso certamente se aplica quando demonstramos um exemplo vivo em nosso comportamento pessoal em todos os assuntos de Bondade e Santidade. Desta forma, cada pessoa vai merecer para ver os bons frutos de seu trabalho. Esta é a maior recompensa de um professor – ver seu aluno ir no caminho lhe fora ensinado, chegando cada vez mais perto do Criador e Senhor do mundo, na verdade, cumprindo a Sua Vontade, até que o próprio aluno torna-se uma “vela irradiando luz”, “bastante confiante para transmitir esta confiança”, isto é, transmitir o seu conhecimento e entusiasmo sobre a Torá e os Mandamentos de Noé para outros.

Vamos ocupar-nos com tudo isso com uma sensação de novidade, com o mesmo entusiasmo que fôssemos cumprir um mandamento recém dado no Sinai, nas palavras de nossos Sábios: “Aquele que estuda Torá, D’us está estudando à sua frente.”

Através disto, nós trazemos à realidade de que “o mundo será preenchido com o conhecimento de D’us” [Isaías, 11: 9], tanto quanto possível durante o exílio [atual época que vive o povo judeu], e nós (Judeus e Gentios) iremos apressar o completo cumprimento desta profecia, com a chegada do nosso justo Messias, ele pode vir nos trazendo a redenção, e no caso dos Judeus, leva-los de volta para a terra que os pertence, Israel. Devemos agir com uma postura ereta, com firmeza e orgulho (mas não arrogância, D’us nos livre), no tremendo privilégio de ser um Emissário de D-us para fazer do mundo “uma morada para Ele nos reinos inferiores [este mundo físico]“, e com alegria e alegria de coração.

Fonte: Hisvaduyos 5744, vol. 4, pp. 2169-2170

Traduzido e adaptado do original sob licença dos responsáveis pelo site Asknoah.org:

http://asknoah.org/essay/message-of-shavuot-morality-from-sinai

Share