Mensagens de Páscoa Para Bnei Noach

Traduzido e adaptado do original http://asknoah.org/essay/passover-messages com autorização prévia dos responsáveis pelo site AskNoah.org.

(1) A Unidade Completa e o Poder Ilimitado de D’us

Pelo Rabino Moshê Weiner,

autor do livro Sheva Mitzvot Hashem e O Código Divino

 

O texto da Hagadá (Narração) de Pessach afirma sobre o Êxodo do Egito:

“O Santo, bendito seja, o fez em Sua glória por Si mesmo! Assim, é dito: “Naquela noite eu passarei pela terra do Egito, e ferirei todo primogênito … Eu, D’us”. [Significado] … Eu e não um anjo; … Eu e não um serafim; … Eu e não um mensageiro; … Sou Eu, e nenhum outro!”

O conceito equivocado de um sheetuf (um sócio com D’us), é a ideia de que aqui há uma criação independente ou um ser (por exemplo, um anjo) que funciona independentemente de D’us. O povo judeu é comandado a partir do verso (Deuteronômio 6: 4), “Ouve, ó Israel, o Eterno é nosso D’us, o Eterno é Um”, de acreditar e aceitar a verdade que não há existência independente que não seja D’us. Tudo é criado e verdadeiramente está funcionando apenas de acordo com o decreto de D’us, como um machado que é usado nas mãos de um lenhador. A exceção é o ser-humano, ao qual exclusivamente é dado o livre arbítrio, e que são autorizados por D’us a agirem como quiserem.

Embora aos Gentios não lhes seja ordenado que eles devam rejeitar o falso conceito de um sheetuf (um sócio com D’us), no entanto, um Gentio não tem permissão de D’us para adorar nenhuma existência que não seja Ele, a qual a pessoa imagina ser um sheetuf. Alguém pode imaginar um sheetuf simplesmente como um ser que é independente de D’us, o que contradiz o verso “Ouve, ó Israel, o Eterno é nosso D’us, o Eterno é Um.” Pode-se também imaginar um sheetuf que tem um poder independente, por questões físicas ou espirituais, o que contraria o verso: “Você não deve ter por si mesmo quaisquer outros deuses diante de Mim” (Êxodo 20: 3). Em ambos os casos, é óbvio que adorar qualquer tipo de sheetuf é idolatria. É óbvio que pensar que um anjo (por exemplo) por ser independente, não habilita ninguém a adorá-lo. Portanto, aquele que adora qualquer sheetuf, transgride a proibição universal da idolatria. Aquele que pensa ou acredita que a adoração à sheetuf é uma conduta digna, mesmo que ele realmente não adore um sheetuf por si mesmo, nega um Princípio de Fé Fundamental da Torá. [1]

Notas de Rodapé:

[1] Ver Rambam, Mishneh Torah, Leis do Arrependimento 3: 7.


 

 

(2) Um Êxodo Pessoal: Superar as Limitações Espirituais

Adaptado a partir de um ensaio do Rabino H. Pekkar

Em hebraico, a palavra para o Egito, Mitzrayim, significa “limitações”. “Indo para fora do Egito” não se refere apenas ao êxodo dos israelitas da escravidão no Egito. Isso também significa que cada pessoa, judeu ou Gentio, pode superar essas coisas em sua vida, que ele vê como limitações em sua capacidade de servir adequadamente à D’us segundo a Sua vontade, ou seja, de acordo com a Fé da Torah da Verdade, que na sua essência é maior do que o intelecto.

Limitações auto-impostas são causadas pelas perspectivas limitadas ou incorretas no próprio intelecto e emoções de uma pessoa. A pessoa deve se esforçar para sair das limitações infundadas às quais ele mesmo submeteu-se. Um primeiro passo neste processo é perceber que se ele tentar de forma correta, ele será capaz de ver a Providência Divina em sua vida. Isso irá fortalecer a sua fé de que a Criação é realmente completamente sujeita a vontade de D’us, então nenhuma influência externa realmente terá forças para ficar no caminho pessoal de um Gentio que segue o Código de Noé.

A pessoa pode obter a força para “sair do Egito” (suas próprias limitações auto-impostas), tomando uma lição com o simbolismo da Matzá (pão sem fermento, que é cozido antes que a massa tenha tempo para fermentar), Maror (ervas amargas), e Vinho.

Matzá representa a humildade, e Maror representa amargura. Quando uma pessoa pensa em D’us e ele lembra-se dos milagres de D’us, ele deve visualizá-los pelos olhos da mente (por exemplo, de D’us fazendo a abertura do mar para o povo judeu durante o seu êxodo da escravidão no Egito / Mitzrayim). Isto irá levá-lo à humildade e temor diante de D’us, porque Ele vê que tudo no mundo e ele próprio vem do poder de D’us, e não de si mesmo ou qualquer outro poder. Isso nos leva a perceber a amargura de nossos próprios erros espirituais, e a amargura da ocultação contínua da Shechiná (Presença Divina) na escuridão espiritual que domina o mundo até Mashiach vir.

Quando essa pessoa internaliza estas duas realizações (a humildade e a amargura), então ele se torna capaz de todo o coração e com alegria, de receber a Palavra de D’us da Torah, sem agendas pessoais ou prejuízos. Ele então percebe que está seguindo o Caminho de D’us (ou seja, o Código de Noé para todos os Gentios) é a melhor coisa que um Gentio pode fazer para si e sua família, e ele assume um compromisso de fazer isso com um coração alegre. Esta alegria interna está ligada com o conceito de vinho, o fruto da videira, que é um símbolo de alegria. O fato de que uma libação de vinho acompanhou as ofertas à D’us no Templo Sagrado lembra-nos de que nossas experiências com “alegrias” podem ser desviadas, da falsa alegria de se entregar a prazeres mundanos, para a Verdadeira Alegria em servir à D’us.

Que a humildade, temor e alegria experimentada em dirigir nossas vidas pessoais à D’us leve-nos a emergir antecipadamente a chegada iminente de Elias, o profeta, cuja missão é “converter os corações dos pais aos filhos, e os corações dos filhos aos pais “[Malaquias 3: 23-24], e para preparar o mundo para a verdadeira e completa redenção através de Mashiach (o Messias, descendente da casa real do rei Davi). Portanto Rambam resume a essência da missão de Elias como “ele virá apenas para estabelecer a paz” (Mishneh Torah, Leis dos Reis, capítulo 12).

Share